O Karma

logo pandava

Este documento foi encontrado no final do livro “Luz no Caminho” publicado em 1800

Considere comigo que a existência individual é uma corda que se estende do infinito ao infinito e não tem fim nem começo, nem é possível ser quebrada. Esta corda é formada por inúmeros fios finos, que, próximos uns dos outros, formam sua espessura. Esses fios são incolores, perfeitos em suas qualidades de retidão, resistência e nivelamento. Esta corda, passando por todos os lugares, sofre acidentes estranhos. Muitas vezes, um fio é apanhado e fica preso, ou talvez seja somente violentamente puxado para fora de seu caminho longe de sua maneira uniforme. Então, por um bom tempo, ele fica desordenado e desordena o todo. Às vezes, está manchado com sujeira ou de cor; e não apenas se detém ao local de contacto, mas também descolore os outros fios. E lembre-se que os fios estão vivos – são como fios elétricos, mais ainda, são como nervos trémulos. Quão longe, então, deve a mancha, o arrasto, ser comunicado! Mas, eventualmente, os longos fios, o fio vivo que em sua continuidade ininterrupta formam o indivíduo, passam da sombra para o brilho. Então os fios não são mais coloridos, mas dourados. Mais uma vez, eles mantêm-se juntos, nivelados. Mais uma vez a harmonia é estabelecida entre eles; e essa harmonia dentro da harmonia maior é percebida.

Esta ilustração apresenta apenas uma pequena porção – um único lado da verdade: isto é menos que um fragmento. Mesmo assim, insista nisso; por sua persistência você pode ser levado a perceber mais. O que é necessário primeiro entender não é que o futuro é arbitrariamente formado por quaisquer atos separados do presente, mas que todo o futuro está em continuidade ininterrupta com o presente, assim como o presente está com o passado. Em um plano, de um ponto de vista, a ilustração da corda está correta.

Licença Pixabay.

Diz-se que um pouco de atenção ao Ocultismo, produz grandes resultados kármicos. Isso porque é impossível dar atenção ao Ocultismo sem fazer uma escolha definitiva entre o que é familiarmente chamado de bem e mal. O primeiro passo no ocultismo, leva o estudante à árvore do conhecimento. Ele deve colher e comer; sobretudo, ele deve escolher. Ele não é mais capaz da indecisão da ignorância. Ele continua, seja no bom ou no mal caminho.  E dar um passo definido e consciente, mesmo um passo em qualquer caminho, produz grandes resultados kármicos. A massa de homens caminha hesitantemente, incertos quanto ao objetivo que eles almejam; os seus modelos de vida são indefinidos; consequentemente, os seus karmas operam de maneira confusa. Mas uma vez alcançado o limiar do conhecimento, a confusão diminui e, consequentemente, os resultados kármicos aumentam enormemente, porque todos estão agindo na mesma direção em diferentes planos: pois o Ocultista não pode ser hesitante, nem pode retornar quando tiver passado o limiar. Essas coisas são tão impossíveis quanto o homem voltar a tornar-se criança. A individualidade aproximou-se do estado de responsabilidade em razão do crescimento; não pode sair dele.

Aquele que deseja escapar da escravidão do Karma deve elevar a sua individualidade da sombra para o brilho; deve elevar a sua existência de tal maneira que esses fios não entrem em contacto com substâncias sujas, não fiquem tão apegados a ponto de serem puxados para o lado errado. Ele simplesmente se eleva para fora da dimensão em que o karma opera. Ele não deixa a existência que está operando por causa disso. O chão pode ser áspero e sujo, ou cheios de flores ricas, cujas manchas de pólen e de substâncias doces se agarram e se tornam apego, mas no alto há sempre o céu livre. Aquele que deseja não ter Karma, deve olhar para o ar em busca de um lar; e depois disso para o éter.

Aquele que deseja formar um bom Karma encontrará muitas confusões, e no esforço de semear sementes ricas para sua própria colheita, pode plantar mil ervas daninhas, e entre elas o gigante. Não deseje semear nenhuma semente para a sua própria colheita; deseje somente semear aquela semente, cujo fruto alimentará o mundo. Você é uma parte do mundo; ao dar-lhe comida você se alimenta. No entanto, mesmo neste pensamento, esconde-se um grande perigo que avança e enfrenta o discípulo, que por muito tempo pensou estar trabalhando para o bem, enquanto no íntimo de sua alma ele percebeu apenas o mal; isto é, ele pensou estar pretendendo um grande benefício para o mundo, enquanto o tempo todo ele inconscientemente abraçou o pensamento do Karma, e o grande benefício pelo qual ele trabalha é para si mesmo. Um homem pode recusar a se permitir pensar em si mesmo. Mas, nessa mesma recusa é visto o facto de que a recompensa é desejada. E é inútil que o discípulo se esforce para aprender por meio da verificação de si mesmo.

A alma deve estar irrestrita, os desejos livres. Mas até que eles sejam fixados apenas naquele estado em que não há recompensa nem punição, nem bem nem mal, é em vão que ele se esforça. Ele pode parecer fazer um grande progresso, mas algum dia ele vai ficar cara a cara com a sua própria alma, e reconhecerá que quando ele veio à árvore do conhecimento ele escolheu o fruto amargo e não o doce; e então o véu cairá totalmente, e ele desistirá de sua liberdade e se tornará escravo do desejo. Portanto, está avisado, você que está apenas se voltando para a vida do Ocultismo. Aprenda agora que não há cura para o desejo, nem cura para o amor da recompensa, nem cura para a miséria da saudade, salvo na fixação da visão e audição sobre o que é invisível e silencioso. Comece agora mesmo a praticar isso, e assim mil serpentes serão afastadas do seu caminho. Viva no eterno.

As operações das leis reais do Karma não devem ser estudadas, até que o discípulo tenha atingido o ponto em que as leis já não o afetem. O iniciado tem o direito de exigir os segredos da Natureza e conhecer as regras que governam a vida humana. Ele obtém esse direito escapando dos limites da natureza e libertando-se das regras que regem a vida humana. Ele tornou-se numa parte reconhecida do elemento divino, e não é mais afetado pelo que é temporário. Ele obtém, então, um conhecimento das leis que governam as condições temporárias. Portanto, você que deseja compreender as leis do Karma, tente primeiro libertar-se dessas leis; e isso só pode ser feito, fixando sua atenção naquilo que não é afetado por essas leis.

Deixe uma resposta